terça-feira, 12 de setembro de 2017

Gotas de felicidade


Fui uma das organizadoras do III International Happiness Forum, realizado em São Paulo nos dias 2 e 3 de setembro deste ano. Portanto, a felicidade será o tema das próximas postagens do Chama Acesa. Compartilho com vocês parte da síntese que fiz do livro "Sobre a Felicidade - Uma Viagem Filosófica", de Frédéric Lenoir. Confira:

SOBRE A ARTE DE ESTAR ATENTO...E DE SONHAR

Como o nível de consciência afeta a nossa felicidade?

Palavra-chave: consciência 

Quanto mais temos consciência de nossas experiências positivas, mais nosso prazer e nosso bem-estar aumentam.

A consciência nos permite “saborear” a nossa felicidade.

Como o viver no passado, presente e futuro afetam a nossa felicidade?

Palavra-chave: Aqui e agora

Nossa felicidade é alimentada pela qualidade da atenção que damos ao que fazemos.

A felicidade só se experimenta no instante presente.

Neurocientistas puderam demonstrar que as zonas do cérebro ativadas quando nos concentramos em uma única experiencia são diferentes das ativadas quando nosso espírito vagueia e rumina diversos pensamentos.

A meditação, o mindfulness ou a atenção plena nos ajudam a manter a felicidade?

Palavra-chave: atenção plena

É possível estabelecer uma ligação entre atenção/concentração e bem-estar, e ruminação/vagueação e mal-estar, identificando-se assim a ancoragem cerebral destes humores.

A meditação, mindfulness ou atenção plena, foi criada há 20 anos por Jon Kabat-Zinn, inspirada nos fundamentos budistas.

A experiencia da meditação silenciosa permite manter a atenção, tranquilizar o mental e, nesta interação entre corpo e espírito, a tranquilidade se expande ao mesmo tempo para o organismo e para as emoções.

Estudos revelaram que a meditação ativa as ondas gama do cérebro, que se tornam mais intensas e aumentam a plasticidade cerebral, ou seja, a tendencia dos neurônios estabelecerem mais conexões.

Se a prática regular da meditação pode ajudar a viver em “plena consciência”, cada experiência do cotidiano também pode ser fonte de bem-estar e trazer efeitos similares.

Se estamos no momento presente quando preparamos uma refeição, quando comemos, quando andamos, quando trabalhamos, quando ouvimos música, em vez de realizarmos estas tarefas pensando em outras coisas ou deixando nossa mente vaguear de uma preocupação a outra, cada momento do cotidiano pode se tornar fonte de felicidade.

Qual o nosso maior desafio para conquistar e manter a felicidade?

Frequentemente não vivemos no presente. Deixamos nosso pensamentos devanearem para o passado ou para o futuro.

Fazemos várias coisas ao mesmo tempo. Ruminamos diversas preocupações enquanto trabalhamos.

Superativa, a vida moderna só faz acentuar essas tendências, causando o crescimento exponencial do estresse, da fadiga crônica, da depressão, da angústia em nossa sociedade.

Ao contrário, uma melhor atenção ao que fazemos, às sensações, às percepções, ao desenrolar da ação pode mudar uma vida.

A descontração nos auxilia a diminuir o estresse?

Palavra-chave:livre associação de ideias

No entanto, da mesma forma que, para nosso espírito se equilibrar ele precisa ser concentrado e atento, ele também necessita vagar ao sabor dos humores, das inspirações, das associações de ideias.

Semelhante “descontração” é diferente de “ruminação”, que consiste geralmente em se concentrar num remorso do passado, numa angustia do futuro e como consequência, em um acréscimo de emoções negativas.

A nossa felicidade depende da concentração e da descontração?

Nosso espírito tem, portanto, necessidade tanto de se concentrar, de ser atento, quanto de relaxar e de se regenerar pelo silencio interior -fruto da meditação- mas, também pelo devaneio, pela imaginação. Afinal, é relaxando a mente que surgem soluções para nossos problemas, as mais luminosas ideias, as intuições.

Se nossa felicidade depende muito de nossa capacidade de viver no instante presente, ela depende também de nossa aptidão para nos lembrarmos dos momentos felizes de nossa vida. A vagueação do espírito no passado produz infelicidade quando ela vai buscar lembranças negativas, remorsos ou arrependimentos, mas oferece uma rara felicidade quando recordamos dos momentos felizes.

A felicidade se alimenta da consciência de ser feliz.


sexta-feira, 28 de julho de 2017

Diário de bordo da minha segunda experiência Findhorn - 2017


Fui pela segunda vez à Comunidade de Findhorn, primeira ecovila sustentável do mundo, na Escócia. Para tentar colocar em palavras o que vivi, vou me pautar pelas qualidades dos anjos que me acompanharam a cada dia, desde a minha chegada.

No primeiro dia, foi aquela emoção de voltar a um lugar muito especial, que me conecta imediatamente à minha essência. É como chegar à minha “casa interior” e ficar ali me sentindo acolhida pela natureza abundante, pelas pessoas e pelo amor em ação que vibra no ar.


E assim o primeiro anjo, no sábado, foi o da COMUNICAÇÃO.

“Uma ligação vital entre a sua experiência interior e sua expressão exterior. A disposição para compartilhar sobre seus sentimentos e pensamentos pode levar você a relacionamentos mais significativos, consigo mesmo, com os outros e com o meio ambiente”.

Esta mensagem conversa com minha inteligência mais forte que é a Linguística ou Verbal e esta é uma habilidade que utilizo com grande facilidade porque flui naturalmente, vem de dentro pra fora. 

Compartilhar o que penso, sinto e aprendo com as outras pessoas me traz uma sensação de plenitude e sinto que isso faz parte da minha missão de vida.

Neste contato com o outro, de forma significativa, consigo perceber e intuir as habilidades que cada pessoa traz e ajudá-la a descobrir que tem LUZ PRÓPRIA. Da mesma forma em que no caminho do autoconhecimento fui tomando consciência de quem verdadeiramente sou e comecei a fazer escolhas alinhadas com minha essência, percebi que este é um processo que acontece com cada um, em seu ritmo e no seu tempo. Em outras palavras, é descobrir que Deus está dentro de cada um de nós e que temos tudo que precisamos para aprender com as experiências que a VIDA, com sua sabedoria, irá nos trazer. Isso foi o que aconteceu comigo nas duas experiências que vivi em Findhorn: a descoberta da espiritualidade.

O segundo anjo, no domingo, foi o da ENTREGA

“A capacidade de aceitar o que estiver acontecendo ao invés de se preocupar com aquilo que deveria, precisaria ou poderia acontecer. Liberte-se da necessidade de controlar a vida e mergulhe na paz da aceitação”.

Neste ano, este foi o meu exercício diário pelas circunstancias difíceis que tive que enfrentar. Em alguns meses parece que vivi muitos anos, pois me deparei com muita dor frente a perdas fortes. A perda do meu companheiro com quem construí uma família muito amada e a perda de um espaço de educação que construí com pessoas que acreditavam na educação para vida e na importância da formação de um vínculo afetivo para que a verdadeira aprendizagem aconteça. 

Isso gerou muita dor e as lágrimas rolaram sem parar a partir do momento que cheguei a Findhorn, o que me ajudou a lavar minha alma. Eu estou aprendendo a fazer o exercício da entrega, da aceitação a cada dia, mas tendo sempre a certeza que “tudo que preciso” está dentro de mim. Desta forma, tento continuar a minha vida sem perder a alegria e o entusiasmo que sempre fizeram parte de mim, apesar de tudo que aconteceu. Descubro, aos poucos, como deixar a necessidade de controlar para mergulhar na paz da aceitação.

O meu terceiro anjo, na segunda-feira, foi o da EDUCAÇÃO.

“Cultive sua vontade de aprender com os enriquecedores padrões da vida. Pode ser que você não possa estabelecer todo o currículo da sua vida, porém você pode escolher que cursos fazer a qualquer momento e como aplicar seus conhecimentos”.

O amor pela Educação é algo que me acompanhou a vida toda. E eu acredito que ela acontece em qualquer lugar e etapa de vida, no meu caminho de aprendizado. E concluo que o conhecimento só é realmente assimilado, se o colocarmos em prática.

Por isso, enxergo a educação como o “amor em ação”. A educação acontece quando coloco minhas habilidades a serviço do outro, expandindo a minha LUZ, promovendo a “conexão comigo mesma” e a “conexão com o outro”. Cada vez que faço algo com amor para servir, estou em estado meditativo, pois fico totalmente conectada ao momento presente, de corpo e alma naquilo que estou fazendo. E isso para mim é FELICIDADE. 

Portanto, quando estou presente e inteira naquilo que faço, não importa o que esteja fazendo, fico naturalmente feliz e esta felicidade irradia à minha volta atingindo com uma vibração positiva todos que me rodeiam. Para mim, isso é educar, pois toda situação que vivemos envolve o aprender e o ensinar.

O meu quarto anjo, na terça-feira, foi o da HARMONIA.

“Ouça o ritmo mais elevado de todos os elementos e traga-os para um concerto em parceria com a natureza essencial. Conduza sua vida de acordo com sua melodia.”

Ouvir, ver e sentir os ritmos dos elementos da natureza: a água do rio Findhorn e do Mar do Norte, o calor do sol que, excepcionalmente, brilhou o tempo todo, o ar limpo e fresco de Clunny e a terra das Highlands_ terras altas de montanhas poderosas foi um bálsamo para a minha alma e a de todos nós que estávamos lá. O respeito, a beleza e a energia que emanavam daquela natureza única calaram fundo no meu coração e penetraram no meu ser revigorando e limpando o meu campo de energia. O momento foi de quietude, respeito, encantamento e muita gratidão. 

Participar das Danças Circulares foi como entrar no ritmo mais elevado de integração, fluidez e harmonia com as pessoas, com o movimento, com a música e com a vida. Foi algo inesquecível que também ficou impregnado em mim. Realmente gostaria de conduzir a minha vida como a variação daquelas melodias de tantos países que me mostraram a importância e a beleza da diversidade. 

O quinto anjo, da quarta-feira, foi o da FLEXIBILIDADE.

“A habilidade de se mover adiante sem perder a visão do objetivo. Deixe de lado o estreitamento mental, ficando aberto ao fluxo e mantendo-se informado quanto às novidades”.

Estar aberta ao fluxo de energia que fluiu o tempo todo e aprender novas formas de trabalhar o autoconhecimento de forma individual e grupal desenvolveu muito a minha flexibilidade. Foi muito gratificante criar laços de confiança, experimentar e compartilhar este aprendizado com um grupo de pessoas, muitas desconhecidas até aquele momento. 

A escolha de viver a experiência de trabalhar na cozinha, no jardim, de fazer a sintonização, expressando o que realmente sentia no inicio e no final do trabalho, foi um aprendizado incrível para mim. Observar e aprender com o fluxo de energia e alegria do amor em ação no trabalho, foi algo profundamente transformador.

O sexto anjo, da quinta-feira, foi o da ABERTURA.

“Deixe de lado os resultados predeterminados e as reações defensivas. Movimente-se com receptividade e prontidão para a mudança”.

Sabe aquela pedra que, quando jogada em um lago, reverbera, expande e promove o movimento em circulo como se fosse uma mandala? 

Para mim, ela representa a abertura. Quando eu me movimento sem medo fazendo aquilo que o meu coração pede, que a minha intuição sugere, eu me sinto neste movimento que se expande e que reverbera amor em todas as direções e a sensação é de plenitude. E, novamente, o sentimento de gratidão toma conta da minha alma.

O sétimo anjo, da sexta-feira, foi o da FRATERNIDADE.

“Veja a humanidade como sua família maior e estenda a bondade a todos que encontrar”.

Não teria melhor forma de fechar esta semana de experiência e aprendizado! 

Ninguém é melhor do que ninguém. 

Estou em meu caminho de aprendizado e você no seu. Não sou melhor, nem pior. Somos irmãos nesta caminhada na vida. Cada um de nós colocando suas habilidades em ação, errando, acertando, nos ajudando mutuamente e aprendendo a exercitar a bondade.

Por isso, o conceito de família que é de agregar, compartilhar e colaborar. 

E assim vou caminhando em meu processo de evolução com as experiências que a vida, com sabedoria, me traz. Há momentos em que algumas experiências potencializam minhas habilidades e me tornam mais forte, mais segura. Há também momentos em que algumas experiências me trazem dor, necessidade de desapego, de transformação e mudança.

A presença de Deus na natureza, minha mestra maior, me ensina a viver esses ciclos deixando pra trás aquilo que já cumpriu sua missão na minha vida e que, transformando, vai potencializar e fazer germinar o novo. E tudo flui naturalmente, sem esforço algum. Este é o movimento da vida em tudo que existe, inclusive em mim.

Sintetizando o aprendizado desta semana: 

- Descobri a espiritualidade com o exercício da entrega;

- A expressar verdadeiramente o que penso e sinto com a comunicação

- A aprender a caminhar pela vida, com leveza, com a harmonia;

- A fazer escolhas alinhadas com quem verdadeiramente sou, com a flexibilidade;

- A buscar expansão e abundância com a abertura

- E aprender a servir o outro, com bondade, com a fraternidade.


Que assim seja! 

Namastê!

Jamile

terça-feira, 6 de junho de 2017

4 anos de Chama Acesa


Há 4 anos, ganhei o livro Anticâncer – Prevenir e Vencer Usando as Defesas Naturais do Dr. David Servan-Schreiber e, como sempre faço com quase tudo que leio, elaborei uma síntese. Só que esta síntese me trouxe a oportunidade de “passar a limpo” a minha experiência com o câncer de mama de 2000 a 2009.

Entender o motivo de a doença aparecer, expressar tudo o que vivemos e sentimos faz parte da nossa cura e até da prevenção para que a doença não volte.

Aquele exercício de expressar o que li e o que vivi me fez entender que o câncer para mim foi um sinal que precisou aparecer várias vezes até eu enxergar que eu “precisava” estar inteira em tudo que fazia e em todos os lugares que vivia.

Outro dia li em um texto que a dor é um caminho de evolução e para mim realmente foi. Aprender a lidar com as emoções é uma condição essencial no processo da cura. Na maioria das vezes, nem identificamos direito o que sentimos com medo de olhar para o que acontece dentro de nós. A doença é, portanto, um sinal de alerta para você olhar pra dentro.

Hoje concluo que foi um processo de um profundo encontro comigo mesma, com minha alma, soltando várias amarras que me prendiam e me distanciavam de quem eu verdadeiramente era.

E foi vivenciando tudo isso que nasceu a ideia de criar o Projeto Chama Acesa e beneficiar pessoas que já passaram por esta experiência, as que estão vivenciando neste momento e as que querem se prevenir. E hoje, com a Medicina Integrativa já sabemos que, para tratar a doença, temos que olhar o ser humano integral: corpo, mente, coração e espírito.

Por que Chama Acesa? Porque manter acesa a vontade de viver é fundamental para nossa cura. 

O Projeto Chama Acesa se apoiou em um tripé: corpo, alimentação e estado de espírito, que é o que define o nosso estilo de vida. E o câncer hoje se propagou e se tornou uma doença crônica pelo estilo de vida que adotamos.

Mas o momento é de GRATIDÃO! Gratidão por ajudarmos pessoas de todo o Brasil que, como eu, vivenciaram ou estão vivenciando a experiência de um câncer com todas as dores e conquistas que promove.

Gratidão à minha médica Dra. Patricia Valentini de Melo, adepta da Medicina Integrativa, por ter me dado a ideia de montar um blog para divulgar, afirmando que poderia ajudar muitas pessoas. 

Gratidão pelos textos de Patricia Gebrim, que conversam e alimentam o nosso estado de espírito, que é o grande sinalizador quando algo não vai bem.

Gratidão a Patricia Zwipp Navarro, pessoa responsável por tornar este sonho realidade e por sintetizar e colocar imagens que tão bem representam as mensagens e informações que são postadas. 

Gratidão a todos que nos seguem, que acreditam e compartilham a proposta do Chama Acesa.

Vamos celebrar juntos estes 4 anos em que construímos uma rede que promove a expansão da consciência em relação à saúde física, mental, emocional e espiritual, que determinam o nosso aprendizado e evolução na vida.

Que esta CHAMA ACESA se propague cada vez mais!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Cientistas apontam que o coração pensa e irradia


Cientistas apontam que o coração pensa e irradia. Confira texto da Revista Pazes

“O coração é também o primeiro órgão formado no útero. O resto vem depois”. Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo.

Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurônios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral. Joseph Chilton Pearce-, autor de A biologia da Transcendência, chama a isto de ”o maior aparato biológico e a sede da nossa maior inteligência”.

O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinal eletromagnético que se irradia para além da célula.

Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de freqüência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele!

A freqüência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração se estende desde o assoalho pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo.

O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma frequência A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficas.

Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anel universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de freqüência de um único anel.

Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos acessar todas as informações dentro dele a qualquer momento. Quando ficamos quietos para acessar o que temos em nossos corações, nós estamos literalmente conectados à fonte ilimitada de Sabedoria do Universo, de uma forma que percebemos como “milagres” entrando em nossas vidas.

Quando desconectamos e nos desligamos da sabedoria inata de amor do Coração, baseado nos pensamentos, o intelecto refletido no ego assume o controle e opera independentemente do Coração, e nós voltamos para uma mentalidade de sobrevivência baseada no medo, ganância, poder e controle.

Desta forma, passamos a acreditar que estamos separados, a nossa percepção de vida muda para uma limitação e escassez, e temos que lutar para sobreviver. Este órgão incrível, que muitas vezes ignoramos, negligenciamos e construímos muros ao redor, é onde podemos encontrar a nossa força, nossa fé, nossa coragem e nossa compaixão, permitindo que a nossa maior inteligência emocional guie nossas vidas.

Devemos agora mudar as engrenagens para fora do estado baseado no medo mental que temos sido ensinados a acreditar, e nos movermos para viver centrados no coração. Para que esta transformação ocorra, é preciso aprender a meditar, “entrar em seu coração” e acessar a sabedoria interior do Universo.

É a única maneira, é O Caminho.A medida que cada um de nós começa esta revolução tranquila de viver do Coração, vamos começar a ver os reflexos em nossas vidas e em nosso mundo.

Esta é a forma como cada um de nós vai criar uma mudança no mundo, criar paz, criar harmonia e equilíbrio, e desta forma, vamos todos criar o Paradigma do Novo Mundo do Céu na Terra.”

Por Rebecca Cherry

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Dia Mundial sem Tabaco



O Dia Mundial Sem Tabaco é celebrado na próxima quarta-feira (31 de maio). Por isso, vamos falar sobre os perigos do tabagismo (incluindo aumento do risco de câncer), dicas para dar adeus ao vício e benefícios ligados a parar de fumar. Todos os dados são do site do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA):

Problemas
A epidemia global do tabaco mata quase 6 milhões de pessoas por ano, das quais mais de 600 mil são não fumantes, vítimas do fumo passivo. Sem alterações de cenário, estão previstas mais de 8 milhões de mortes por ano a partir de 2030. Mais de 80% dessas mortes evitáveis atingirão pessoas que vivem em países de baixa e média renda.

Estatísticas revelam que os fumantes, comparados aos não fumantes, apresentam um risco 10 vezes maior de adoecer de câncer de pulmão; 5 vezes maior de sofrer infarto; 5 vezes maior de sofrer de bronquite crônica e enfisema pulmonar; 2 vezes maior de sofrer derrame cerebral.

Dicas para parar de fumar

O mais importante é escolher uma data para ser o seu primeiro dia sem cigarro. Este dia não precisa ser um dia de sofrimento. Faça dele uma ocasião especial e procure programar algo que goste de fazer para se distrair e relaxar.

Você pode escolher duas formas para parar de fumar: A Parada Imediata Esta deve ser sempre a primeira opção. Você deixa de fumar de uma só vez, cessando totalmente de uma hora para outra. A Parada Gradual Você pode utilizar este método de duas formas: 1ª) Reduzindo o número de cigarros. Para isso, é só contar o número de cigarros fumados por dia e passar a fumar um número menor a cada dia. 2ª) Adiando a hora em que começa a fumar o primeiro cigarro do dia. Você vai adiando o primeiro cigarro por um número de horas pré-determinado a cada dia até chegar o dia em que você não fumará nenhum cigarro. Se você escolher a parada gradual, não deverá gastar mais que duas semanas neste processo.

Lembre-se também de que fumar cigarros de baixos teores não é uma boa alternativa. Eles fazem tanto mal à saúde quanto os outros cigarros. Cuidado com os métodos milagrosos para deixar de fumar. Se tiver dúvidas, procure orientação médica. Somente um médico poderá avaliar a utilização de outros métodos, como, por exemplo, adesivos de nicotina.

Se sentir muita vontade de fumar - Para ajudar, você poderá chupar gelo, escovar os dentes a toda hora, beber água gelada ou comer uma fruta. Mantenha as mãos ocupadas com um elástico, pedaço de papel, rabisque alguma coisa ou manuseie objetos pequenos. Não fique parado - converse com um amigo, faça algo diferente, distraia sua atenção. Saiba que a vontade de fumar não dura mais que alguns minutos.

Mudanças na rotina

Pense no que seria possível fazer para mudar sua rotina. Buscar atividades diferentes pode ajudar quando se está parando de fumar. Para quebrar as associações que existem entre fumar e sua rotina, é necessário planejar atividades para “colocar no lugar do cigarro”. Você deve manter seus prazeres e lazeres - sem cigarro. Nesse período inicial, contudo, é melhor evitar certas situações até que você se sinta fortalecido para lidar com elas. Portanto, evite lugares com muitos fumantes!

Procure iniciar caminhadas, de preferência em lugares agradáveis. Se não gosta de caminhar, procure algum exercício ou esporte que lhe agrade. Preencha seu tempo com algo que você realmente goste de fazer. Dance, pratique jardinagem, cozinhe pratos diferentes, vá ao cinema, ao teatro, aos museus, ouça música, namore, leia, bata papo com os amigos etc. O importante é movimentar-se, cuidando do corpo e da mente.

Fim do vício - Benefícios

Parar de fumar sempre vale a pena em qualquer momento da vida, mesmo que o fumante já esteja com alguma doença causada pelo cigarro, tais como câncer, enfisema ou derrame. A qualidade de vida melhora muito ao parar de fumar. Veja o que acontece se você parar de fumar agora: 

Após 20 minutos, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal.
Após 2 horas, não há mais nicotina circulando no sangue.
Após 8 horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza.
Após 12 a 24 horas, os pulmões já funcionam melhor.
Após 2 dias, o olfato já percebe melhor os cheiros e o paladar já degusta melhor a comida.
Após 3 semanas, a respiração se torna mais fácil e a circulação melhora.
Após 1 ano, o risco de morte por infarto do miocárdio é reduzido à metade.
Após 10 anos, o risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram.

Quanto mais cedo você parar de fumar menor o risco de adoecer.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Autoconhecimento



Texto sobre autoconhecimento, assinado pela psicóloga Patricia Gebrim:

O caminho do autoconhecimento nos leva à libertação da nossa essência, busca uma vida liberta das amarras do ego. 

Entenda que esse caminho não é linear. Você pode passar muito tempo investindo em si mesmo, buscando crescer de todas as formas, e sentir que nada parece estar mudando ao seu redor.

Isso porque a transformação se dá primeiro nas sagradas cavernas do seu ser. 

Não desista!

Nas profundezas do seu eu existe essa câmara sagrada, uma caverna cravejada dos mais lindos cristais.

A cada passo seu, cada vez que traz luz para uma situação, que amplia sua compreensão do mundo e abre seu coração, esses cristais vão recebendo uma certa quantidade de energia e ampliando sua pulsação.

Assim vamos seguindo pela vida, elevando nossa vibração, investindo nossa energia na beleza, nas virtudes, nos valores mais elevados.

Pode parecer, externamente, que não saímos do lugar. 

Mas, acredite, existe algo maravilhoso acontecendo dentro de você.

Até que um dia qualquer, ao atingir o nível vibratório suficiente, tudo em sua vida dá um salto. Um salto quântico!

É como se você acordasse em um novo mundo. 

Nada será o mesmo. 

Para onde quer que olhe, você verá a luz das cores que lhe habitam.

Rapidamente o mundo se reorganizará ao seu redor, constelando em sua vida pessoas e situações que reflitam a beleza dos cristais da sua caverna.

É tão lindo esse momento... Tão lindo quanto ver a borboleta sair do casulo e dar seu primeiro voo ao entardecer.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Ciclos da vida e estações do ano


Cada ciclo traz seus desafios específicos, mudanças internas e externas e aprendizados. Como a natureza, trazemos dentro de nós a capacidade de nos transformar de semente a árvore plena. Confiram a síntese de um texto antigo que li na revista Bons Fluidos:

A primavera é fase na qual nos encorpamos, crescemos e amadurecemos fisicamente até por volta dos 21 anos. Nesta fase, a criança necessita de muitos cuidados para seu desenvolvimento físico e seu crescimento. A individualidade de natureza espiritual vem do Cosmo e gradativamente, a partir da concepção vai se encarnando no corpo biológico, atingindo aos 21 anos sua plena encarnação, após ter amadurecido os sistemas neurosensorial, rítmico e metabólico-locomotor. O desenvolvimento do corpo biológico se dá no sentido ascendente a partir da fecundação, multiplicação celular, até a maturação dos órgãos.

Para os chineses, a primavera é a estação do vento que poliniza as flores. Os orientais se referem ao vento externo e também ao interno, responsável pela circulação da energia vital que corre pelo corpo. É, portanto, uma época de expansão e força. No entanto, pode gerar desequilíbrios e crises. A primavera está também associada ao verde, ao elemento madeira e ao fígado. Dentro do sistema chinês a emoção ligada ao fígado é a raiva. E, para extravasá-la de forma pacifica, sugere-se a meditação e o relaxamento.

Do broto tenro e caule firme, nascemos no mundo com um formidável impulso de viver. Para romper a casca da semente, para atravessar a grossa camada de terra, é preciso energia sem limites. O I Chin, ,livro milenar chinês cha essa fase de irromper e é com esse vigor que a criança se coloca no mundo. Mas, como o sol e água moldam a planta, a realidade que a circunda também irá influenciar seu caráter. É tempo de formação do controle dos impulsos da aprendizagem por meio de acertos e erros, do poder do não.Tambem é a época de encantamentos com a vida, da alegria sem causa aparente, da leveza e da brincadeira, do desabrochamento de potencialidades e talentos.E, assim o ser se tornará flor aberta, pronta a ser polinizada.

Verão, quando as plantas se expandem e atingem ao máximo sua vitalidade e tamanho , corresponderia à fase expansiva, dos 21 aos 42 anos, aproximadamente. É denominada fase do desenvolvimento psíquico, em que a alma desabrocha, abre-se para o mundo, faz trocas com o ambiente externo para no final abrir-se ao sol.

Associado ao elemento fogo e ao coração, o verão é a estação favorável para exteriorizar sentimentos e investir em atividades e encontros que trazem otimismo e leveza. Na medicina chinesa a estação é dividida em alto verão mais associado ao coração, ao sol e ao elemento fogo e o fim do verão, com seu fecho chuvoso, as chamadas águas de março, é um período ligado ao pâncreas e ao elemento terra, mais estabilizador. A emoção correspondente a esse período de transição para o outono é a preocupação. Portanto, evite pensar demais.

No outono,quando as cores se modificam, a natureza se torna particularmente colorida e os frutos amadurecem seria aquela fase em que observamos um leve declínio das forças, dos 42 aos 63 anos. Entramos então na terceira fase, a da frutificação, que deve vir do lado cósmico, espiritual; por isso é chamada de fase do desenvolvimento espiritual da vida. É muito individual o que ocorre com cada um, pois há muitas formas de buscar a espiritualidade e encontrar o guia, o anjo ou o Eu Superior.

Para a medicina chinesa o outono é um tempo fluido e cheio de paz. Está associado aos rins e ao elemento água. O grande inimigo pode ser a emoção que predomina: o medo. Exercícios respiratórios são ótimos para nos livrar dos temores.

Em seguida, estaríamos no inverno quando a maior parte das plantas perde a força, as sementes caem na terra para mais tarde germinar; permanece o “esqueleto” das árvores ou sua essência, na etapa após os 63 anos. Aí a essência do ser humano aparece, pois à medida que o desgaste biológico ocorre, a consciência tem a possibilidade de se ampliar. Assim, entra-se na fase da sabedoria. 

O inverno é um momento de reflexão. O órgão associado ao inverno é o pulmão e as emoções, a tristeza, a melancolia, a depressão. É realmente uma fase de interiorização e de recolhimento. São excelentes os exercícios em que as pernas se movimentam, pois trazem energia para combater a tristeza e dão força na base. O elemento do período é o metal, associado à inteligência e capacidade mental. O inverno é, portanto, um período para ler, refletir e planejar. É também um momento de poupar energia.